COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

UM ANO BOM


               Por Luiz Carlos Amorim - Escritor e editor – Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br

Um ano novo acaba de chegar e o sol, quentíssimo, mesmo intercalado com a chuva, o jacatirão florido, o flamboiã espalhando vermelho pelas calçadas, me dizem que o novo ano será bom.

Por isso, não desejo muito deste novo ano. Peço apenas o possível: crianças na escola, velhos assistidos, educação e saúde decentes neste nosso Brasil e por todo este mundão de Deus; trabalho para todas as pessoas e alimento na mesa de todos, em qualquer lugar; ética e honestidade em todas as atividades do ser humano, principalmente na "política" e conscientização geral de que precisamos preservar a natureza para que o nosso clima não se volte contra nós, como temos visto ultimamente.

Que em 2013 saibamos cuidar melhor do nosso meio ambiente. Que paremos de desmatar, que possamos diminuir a poluição, para que nossos filhos e netos possam ter um mundo viável mais adiante. Não quero, para todos nós, filhos de Deus, uma felicidade instantânea e fácil; quero uma felicidade conquistada, verdadeira e merecida. Uma felicidade perene.

Quero sorriso no rosto das pessoas, mas não sorrisos tristes. Quero sorrisos iluminados, pejados de fé e esperança, que se não os houver, não haverá vida. Quero luz nos olhos de toda a gente, faróis a alumiar o caminho. Quero paz no coração de todo ser humano, quero carinho a semear ternura, quero uma canção em todos os lábios, a propagar a fé.

Quero pedir aos homens, principalmente aos que detém o poder, o fim das guerras, que o seu coração foi feito para abrigar a paz, e seus lábios, suas mãos e seus olhos foram feitos para disseminá-la. O homem não foi feito para deter o poder em suas mãos e com esse poder destruir seu semelhante. Peço à força maior que rege o universo que erradique do coração do homem a ganância, a inveja, o ódio, a indiferença.

Não estou pedindo nada impossível, tudo o que peço pode se tornar realidade, se todos quisermos. E precisamos querer, para que este próximo ano que se inicia seja bom, para que os nossos sonhos possam continuar, para que possamos ter esperança de realizá-los.

Como já disse o poeta Drummond, para termos “um Ano Novo que mereça este nome, temos de merecê-lo”.                    

domingo, 30 de dezembro de 2012

UM ANO NOVO MELHOR

Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – Http://luizcarlosamorim.blogspot.com

E lá se vai mais um ano repleto de corrupção, descaso com a saúde, educação em declínio, segurança quase zero. Não podemos esperar, sabemos, que tudo seja perfeito, mas a coisa está ruim. E pelas promessas de nossos “políticos”, muito deveria ter sido feito e muito deverá ser feito e conhecemos bem a palavra de nossos "representantes" no poder. Novos prefeitos assumem neste Ano Novo. Veremos tudo se repetir.
Felizmente, somos teimosos e não perdemos a esperança no futuro. Haveremos de ter sempre essa esperança abençoada que nos impulsiona a viver. E o próximo ano há de ser melhor. Então, estamos impregnados de esperança e de desejo de paz para iniciar o próximo ano. Precisamos iniciar uma nova era, a era da paz, da honestidade, da conscientização, da justiça verdadeira. Utopia? Sonho? Mas o sonho é esperança! Se não tivermos sonhos, o que será da esperança? E o sonho e a esperança podem e devem nos levar à realização.
Pedia eu, em uma outra crônica de fim de ano, que os homens ouvissem os poetas, pois a poesia pode torná-los melhor. É ela que, mais do que outro gênero literário, talvez, retrata os sentimentos e as emoções do ser humano. É ela, a poesia, que aguça a nossa capacidade de amar, de sermos solidários, de preservar a vida e a natureza, de cultivar a paz. Então queria poder me repetir, neste novo início de ano, e falar, novamente, de paz, de esperança, de novos tempos, e não há como falar disso sem falar de poesia. E não há como termos isso sem que trabalhemos para isso. Que a nossa vida possa ter mais poesia e que ela nos ensine, sempre e sempre, mais e mais, a realizar a paz, a viver em paz e a manter a paz. Porque somos o instrumento dela. Como já disse o poeta Drummond, para ter “um Ano Novo que mereça este nome, você tem de merecê-lo, tem de fazê-lo de novo. Eu sei que não é fácil, mas tente, experimente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.” Devemos pensar nisso.
E agir. Porque o novo ano deverá ser o melhor de nossas vidas. Precisa ser e será, se tivermos convicção disso.

sábado, 29 de dezembro de 2012

NOVO TEMPO

Luiz Carlos Amorim



O futuro chegou.

Novo tempo, nova vida,

Esperança renovada.

Sim, eu sei,

Sou viciado

Em esperança,

Essa fé no amanhã

Que me empurra adiante.

Mas se não houver esperança,

O que será do futuro?

Precisamos, urgente,

Nós todos, seres humanos,

Juntar toda esperança

Que podemos cultivar

E fazê-la realidade:

Um mundo mais humano,

Com dignidade e justiça.

Depende de nós.

O ano novo não será feliz

Como que por encanto.

Há que se lutar por isso.

Não somos capazes disso?







quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

ANSEIOS DE ANO NOVO

Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – http://luizcarlosamorim.blogspot.com 


Como eu já disse em outra oportunidade, a gente recebe um monte de entulho pelo correio eletrônico, diariamente, mas às vezes chegam coisas espetaculares. Recebo da minha amiga Fátima de Laguna um clipe via Youtube que é um belíssimo cartão de Ano Novo. É uma música cantada por Sandra de Sá, por um cantor de Cabo Verde, Ilo Ferreira, e vários outros cantores e instrumentistas de diversos países, como Buenos Aires, Chile, India, Espanha, Jamaica, etc.

A música é linda, cantada em português e uma outra língua que eu não consegui identificar, talvez seja bengalês, mas não tenho certeza. E digo que é o cartão de Ano Novo ideal, porque a letra é simples, mas diz muito, diz tudo o que queremos para o nosso futuro, para o futuro do ser humano e do lugar onde vivemos.

Vejam alguns trechos: “Peço a Deus / que os homens encontrem / os seus sonhos perdidos / e que os sonhos despertem / esses olhos dormidos / que o amor transborde / e que vamos em paz. // Peço a Deus / que nos mande do céu / muita sabedoria / um amor verdadeiro / que ninguém passe fome / um abraço de mãos / que vivamos em paz / que terminem as guerras / e também a pobreza / Encontrar alegrias / entre tanta tristeza / que a luz ilumine / as almas perdidas / e um futuro melhor.” Alguém já tinha traduzido um cumprimento entre os seres humanos como “um abraço de mãos”? Pois é.

Não é lindo? Não é a mais pura verdade? Não é o que todos queremos, o que todos pedimos? Como disse a minha amiga Fátima: Natal é isto: gente unida pela música. Parafraseando Mercedes Sosa: “a paz é cantarmos todos juntos!”

O nome do clipe é Satchita (acho que é o nome da música) e a música, como disse, traduz nossos anseios e esperanças para um futuro melhor.

Considerem a sua letra o meu cartão de Ano Novo. E tenham todos o Ano Novo mais feliz de suas vidas.







segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

UM MENINO ESTÁ NASCENDO...


Por Luiz Carlos Amorim – Escritor - http://luizcarlosamorim.blogspot.com

Hoje é o dia tão esperado.Dia de abrir a porta de nossas casas, de nossos corações e convidar o Menino que nasce para entrar, que a casa é dEle. Dia de dizer-lhe que a manjedoura do meu coração, dos nossos corações, de todos os corações está preparada para recebê-lo. Que todos estamos de portas abertas só esperando que ele chegue.

Assim é o Natal. O Filho de Deus nascendo entre nós, em nós, mais uma vez. A manifestação de carinho ao presentear amigos e a família, as festas com muito brilho, muita luz, muita comida, não são nada se o Menino não for convidado. Se Ele não estiver na festa de Natal, a festa não valerá nada. Porque a festa é feita para comemorar o seu nascimento, que significa o renascimento do ser humano, a renovação de nossas vidas, o futuro chegando. Os lábios que beijam nossas pessoas queridas e desejam Feliz Natal devem também dizer uma oração ao Menino que está nascendo para nós. As mãos que abraçam a mão do próximo, que enlaçam seus irmãos, devem se elevar ao céu para agradecer ao Pai pelo Menino que ele envia para nós. E o coração deve se encher de amor para acolher o Menino.

Então não há Natal sem o Menino, sem o Cristo Menino, Filho de Deus. As grandes festas, fartas de tudo, mas sem o nascimento, a presença do Menino, não valem nada.

Esteja certo, irmão, que você sabe o que é Natal. Esteja certo de que você está vendo a luz da estrela-guia apontando o seu coração, anunciando que o Menino está nascendo dentro dele. Que a manjedoura está preparada. Que você está pronto.

E viva o Natal verdadeiro, por inteiro. Porque não há Natal mais bonito e mais verdadeiro do que aquele que acontece dentro de você. Abra seu coração.  Feliz Natal.
 

 

domingo, 23 de dezembro de 2012

MAIS NATAL

Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br/



O Natal está aí e eu percebo que, apesar de saber o que ele significa, sinto que o tempo, passando inexoravelmente, me mostra que minha idade vai avançando e eu vou mudando com ela. Vejo que aquela ansiedade para que o Natal chegasse já não é a mesma da minha infância, da minha juventude, do tempo em que minhas filhotas eram pequenas. Hoje elas estão adultas e a casa está vazia.

O Natal já não é mais tão alegre como outrora. Essa época de reunir a família e os amigos, de nos aproximarmos mais, de comemorarmos juntos a vinda de um Menino que traz sempre, todo ano, um punhado de fé e de esperança pra gente, acaba ficando um pouco triste, quando a gente já perdeu tantas pessoas queridas.

Não estamos sozinhos, é claro, e agradecemos a Deus por termos ao nosso lado muitas pessoas que amamos e poder abraçá-los na noite de Natal é uma bênção. Mas é inevitável lembrar de tantas outras almas abençoadas que não estão mais aqui e que fazem falta, muita falta. Almas que levaram um pedacinho do coração da gente. Então é preciso lembrar do Menino do qual estamos comemorando o nascimento, para não esquecer que nossos entes queridos deixaram, também, um pedacinho do coração deles para cobrir aquele pedacinho do nosso que levaram. Que eles estão, portanto, acolhidos num cantinho do coração e é com o coração que devemos abraçá-los. Coração que ficará mais leve, para dar as boas vindas ao Menino que está chegando para ocupar o seu lugar, se deixarmos.

De maneira que, para espantar a tristeza, para fortalecer a chama do Natal, preciso de crianças, mais do que em outras épocas do ano. Crianças são insubstituíveis no Natal, como se fossem a representação viva do Menino que renasce a cada ano. Podem ser netos, sobrinhos, afilhados, podem ser apenas crianças, simplesmente. Pode ser até nosso animalzinho de estimação, não raro o bebê da casa, por que não? Porque com criança o Natal é mais Natal.



sábado, 22 de dezembro de 2012

NATAL DE SEMPRE

Por Luiz Carlos Amorim - Escritor - Http://luizcarlosamorim.blogspot.com

Os enfeites natalinos estão pela cidade toda, nas ruas, nas lojas, nas casas, nos jardins, os papais noéis  invadiram a televisão, os jornais, as revistas, o rádio e até a Internet. Está chegando o Natal.


Natal, ah, o Natal... essa época mágica de desembrulhar esperanças, de dar de presente carinho, compreensão e amor, de construir e fortalecer a paz e a fé, de engavetar a saudade... Aquela saudade pequena, que vai ficando maior e que vai doendo um pouquinho mais à medida que o Natal vai chegando. Saudade de almas queridas, como do menino aniversariante, inquilinos vitalícios de nossos corações...

E está aí o Natal, o mesmo Natal que, quando éramos crianças, trazia Papai Noel com os brinquedos, trazia a árvore enfeitada, guloseimas e canções. Canções que falavam do nascimento de um menino encantado que tinha o poder de modificar as nossas vidas, se quiséssemos. Ele representava o ano novo que vinha em seguida, a renovação, significava que a vida seria melhor, que nós, seres humanos, poderíamos ser melhores.Inexorável, vem a adolescência, a juventude e, adultos, vamos deixando aquela esperança mágica de lado, ocupados em sobreviver.

Mas ainda há tempo de ver um raio de luz nascendo no horizonte de nossas vidas, um fio de esperança apontando o futuro. Ainda há um resto de fé se multiplicando, e este é o tempo para multiplicá-lo mais e mais. Porque o Natal é renascimento, é o encontro da paz, é busca do amor: é a comunhão com Deus. É a ternura de um menino nascendo, é um sentimento maior que nós, homens, ainda podemos exercitar.Há que querermos um Natal completo e por inteiro, um Natal verdadeiro. E o espírito do Natal, que aproxima os homens, pulsará em todo ser. E brilhará nos olhos de toda criatura, luz a colorir a vida, a semear a paz, sonhada e perseguida. E estará nas mãos de todas as pessoas, carinho a semear ternura. E soará dos lábios de cada um, canção a propagar a fé. Isto é o Natal do coração, presente maior que podemos ter.

Temos a mania de dizer, nós os adultos, que o Natal perde a graça, depois que crescemos. Mas temos que resgatar o nosso eu-criança em algum cantinho, temos que continuar sendo um pouquinho criança para não deixarmos de festejar com a alma e o coração o nascimento do menino Deus, o aniversário do Homem de Nazaré.

E haveremos de dizer uma prece para comemorar-lhe a grande data e pedir-lhe a bênção neste Natal...

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

O QUE É O NATAL?

Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br/

Há algum tempo, li uma nota na página do cronista mor da Ilha, Sérgio da Costa Ramos, dizendo que, nos dias atuais, o símbolo do Natal já não é mais o Menino que nasce todo ano para trazer ao mundo paz, fé e esperança. Agora o símbolo é Papai Noel, este senhor que tomou conta do Natal, por conta da conotação comercial que estamos dando à data mais importante da cristandade.

Ele tem razão. O Natal transformou-se em uma festa comercial, quando compramos mais, enfeitamos tudo com muita luz, damos presentes e recebemos presentes. Mas o real significado da data vai sendo esquecido. Quando falamos em Natal, lembramos logo de Papai Noel. Mas não deveríamos lembrar do Filho de Deus, que nasceu para dar uma nova oportunidade ao ser humano?

Comemoramos, festamos muito, bebemos muito, comemos muito – quem pode, é claro, porque há quem não tenha o mínimo para comemorar o nascimento do Menino Filho de Deus, a não ser com uma oração – só não festejamos o real motivo da festa.

Estamos nos distanciando do Menino e de seu Pai, estamos transformando o Natal em uma festa cada vez mais igual às outras. Não deveria ser o contrário? Não deveríamos nos aproximar mais da forças que regem nossos destinos, não interessa o nome que lhe demos?

Precisamos pensar nisso. Quando a noite do dia 24 chegar e abraçarmos nossos amigos, nossa família, nossas pessoas queridas, vamos lembrar do nascimento que é a razão da comemoração. Vamos erguer um pensamento em homenagem ao Menino que espera achar um cantinho em nossos corações para nascer mais uma vez. O Menino que significa renovação da vida, significa recomeçar com nova fé e mais esperança.

Precisamos resgatar o verdadeiro Natal. E isso só é possível se resgatarmos a fé e deixarmos o Menino que está para chegar entrar no coração de cada um de nós. Aí, sim, far-se-á o Natal. Porque Natal não é só Papai Noel. Natal não é Papai Noel.



segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

JACATIRÃO DO BRASIL


Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br

Saí de férias no começo do mês de novembro e descobri Portugal e outros países da Europa, como Suiça, França, Itália e Espanha. Digo descobri Portugal porque já estive lá antes, mas fiquei apenas uma semana, não deu tempo para conhecer muito, passei apenas por Lisboa, Porto, Coimbra, Fátima e algumas outras pequenas cidades. Desta vez fui com mais tempo e fui ao D´ouro, um dos lugares mais lindos que já vi. Fui a Sintra, Óbidos, voltei ao Porto e conheci mais de Lisboa

Curti o frio em Paris, vivi a história em Roma, maravilhei-me com Veneza, adorei a Suiça, com suas árvores de folhas coloridas, com seus Alpes suíços nevados, com a beleza de Genebra e seu lago fantástico.

Mas foi voltando para o Brasil que recebi as boas vindas de quem? Do jacatirão florido, que está colorido as matas e encostas de São Paulo e aqui de Santa Catarina, um espetáculo que abraça a gente quando passamos pelas estradas que nos trazem ao sul. De Santos para baixo está uma beleza, muitas manchas de vermelho colorindo a mata até quase a divisa com o Paraná.

Desde o início de novembro o jacatirão está florescendo aqui na nossa Santa e bela Catarina, tornando ainda mais bela a primavera e colorindo a entrada do verão. Já disse, em outra oportunidade, que o jac atirão é a flor do Natal, pois a cada final de ano ela está aí, embelezando tudo, dando as boas vindas ao Ano Novo.

Então agradeço à Mãe Natureza por este espetáculo que adentram aos meus olhos nesta nossa terra abençoada. Pena que os jacatirões só estejam lá no norte do Estado – eles existem até Piçarras e Penha, mais ou menos, aqui na capital já não há mais esta árvore fantástica e generosa.
Mas eu vou para Corupá, para Jaraguá do Sul, neste final de semana, para encher o coração e a alma cas cores do jacatirão, do flamboiã, com todas as cores da nossa terra, com certeza. E matar a saudade das tantas cores e dos matizes desse chão privilegiado.



segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

FEIRAS DO LIVRO



    Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br


Neste mês de dezembro temos mais uma feira do livro em Florianópolis. Recebi comunicado da Câmara Catarinense do Livro, recentemente, e pretendo fazer o lançamento de meu novo livro de crônicas “O Rio da minha Cidade”, obra que obteve Menção Honrosa nos Prêmios Literários Cidade de Manaus. Queria saber mais, saber se a feira do livro deste final de ano será diferente das outras, se haverá alguma atração especial, pois estou longe de Floripa, mas não estou conseguindo, pois a internet aqui no navio é muito cara e não funciona.

Espero que a feira não seja reduzida, como tem acontecido nas últimas edições, apenas à venda de livros. Estou alimentando alguma esperança de que o Estado esteja apoiando a feira, que o município seja parceiro neste evento, que é cultural e merece ter recursos para oferecer mais opções do que simplesmente a oferta de livros, que já é feita pelas livrarias – poucas – da capital.

O Estado já patrocinou eventos de moda, shows de cantores internacionais, o município pagou um grande cantor lírico também internacional que não veio fazer o show, uma árvore de natal milionária e por aí afora, então deve haver uma verba que possa ser destinada à cultura, à realização de uma boa feira do livro.

Tenho visto, pelos vários países pelos quais passei, o valor que é dado ao livro, pelas quantidade de livrarias e sebos que a gente encontra pelas ruas e praças e também pelo fato de encontrar pessoas lendo em todos os lugares.

Está na hora de valorizarmos mais os nossos livros e os nossos escritores e tentar fazer uma boa feira do livro, que realmente consiga alcançar o objetivo da Câmara Catarinense do Livro, qual seja: “O principal objetivo do evento é o incentivo ao hábito leitura, levando a toda população livros novos, de todas as áreas do conhecimento, e momentos culturais, assim contribuindo com a cultura em Santa Catarina.”

Quanto aos livros, tudo bem. Mas quanto aos “momentos culturais”, tem deixado muito a desejar. Santa Catarina conta com boas feiras do livro em Jaraguá do Sul, Joinville e outras cidades. Aqui em Floripa faz tempo que a feira decaiu e não se levantou mais. Precisamos cobrar mais atenção para a feira do livro de Florianópolis, pelo menos nós, escritores. Florianópolis merece uma boa feira do livro.