COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

JACATIRÃO DO BRASIL


Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br

Saí de férias no começo do mês de novembro e descobri Portugal e outros países da Europa, como Suiça, França, Itália e Espanha. Digo descobri Portugal porque já estive lá antes, mas fiquei apenas uma semana, não deu tempo para conhecer muito, passei apenas por Lisboa, Porto, Coimbra, Fátima e algumas outras pequenas cidades. Desta vez fui com mais tempo e fui ao D´ouro, um dos lugares mais lindos que já vi. Fui a Sintra, Óbidos, voltei ao Porto e conheci mais de Lisboa

Curti o frio em Paris, vivi a história em Roma, maravilhei-me com Veneza, adorei a Suiça, com suas árvores de folhas coloridas, com seus Alpes suíços nevados, com a beleza de Genebra e seu lago fantástico.

Mas foi voltando para o Brasil que recebi as boas vindas de quem? Do jacatirão florido, que está colorido as matas e encostas de São Paulo e aqui de Santa Catarina, um espetáculo que abraça a gente quando passamos pelas estradas que nos trazem ao sul. De Santos para baixo está uma beleza, muitas manchas de vermelho colorindo a mata até quase a divisa com o Paraná.

Desde o início de novembro o jacatirão está florescendo aqui na nossa Santa e bela Catarina, tornando ainda mais bela a primavera e colorindo a entrada do verão. Já disse, em outra oportunidade, que o jac atirão é a flor do Natal, pois a cada final de ano ela está aí, embelezando tudo, dando as boas vindas ao Ano Novo.

Então agradeço à Mãe Natureza por este espetáculo que adentram aos meus olhos nesta nossa terra abençoada. Pena que os jacatirões só estejam lá no norte do Estado – eles existem até Piçarras e Penha, mais ou menos, aqui na capital já não há mais esta árvore fantástica e generosa.
Mas eu vou para Corupá, para Jaraguá do Sul, neste final de semana, para encher o coração e a alma cas cores do jacatirão, do flamboiã, com todas as cores da nossa terra, com certeza. E matar a saudade das tantas cores e dos matizes desse chão privilegiado.



Nenhum comentário:

Postar um comentário