COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

domingo, 28 de setembro de 2014

MAIS UMA SAUDADE...


 
  Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – Hrrp://www.prosapoesiaecia.xpg.uol.com.br

Xuxu, a nossa pinscher que estava quase completando vinte anos de idade, mas mesmo assim era o bebê da nossa casa, foi-se, no dia seguinte ao Dia dos Pais deste ano de 2014. A nossa casa, que já parecia grande demais, depois que a nossa filharada saiu pelo mundo para viver a vida deles, ficou maior ainda.

É, a casa ficou silenciosa, mas ainda ouço o latido abafado dela, quando estava sonhando. No meio do silêncio da madrugada, acordo com o barulho dela andando pela casa, esbarrando nas coisas, cega que estava há algum tempo. As unhas dela, que não gastavam porque ela já andava pouco, faziam barulho – um tic-tic característico – no piso.

À noite, quando vou ao banheiro ou à cozinha para beber água, levanto o pé, no escuro, para não derrubar os tapumes – almofadas de espuma – que espalhávamos pela casa para que ela, a nossa Xuxu, não batesse nas paredes. Tapumes que não estão mais lá...

Às vezes, ainda a procuro, para saber como está e me lembro que não está mais. Já me surpreendi procurando o pote de água dela – ela tomava muito água – para ver se não estava vazio. Levanto do sofá, de vez em quando, para ver se ela está no cantinho dela e disfarço, ao lembrar que todas as mantas, almofadas, todo o aparato para cuidar dela, tudo foi guardado, porque ela não está mais aqui.

Saudade, mais uma saudade que vai doer um tantão, por um tempo que não tem tamanho. O coração fica apertado, a saudade fica ali, latejando, e eu penso que não dei todo o carinho que Xuxu merecia. Tanta lealdade, tanta fidelidade, tanta amizade, tanta alegria, tanta ternura, que acho que não retribuímos à altura.

Queria que Xuxu tivesse ido serenamente, que não tivesse sofrido, indo devagarinho, devagarinho. A dor ia ser a mesma para nós, mas não para ela. Espero que haja um céu para os cães, um céu onde já estaria Dona Menina, a mãe de Xuxu, que morreu aos doze anos, bem como eu sempre ouvia que os cachorros iam: uma manhã, ela foi cavar no jardim, embaixo de um arbusto e, quando a vimos fazer aquilo, brigamos com ela. Ela foi para debaixo da nossa cama e não saiu mais de lá. Fomos ver o que ela tinha e ela já estava indo. Quando chegamos ao veterinário, ela se foi. Serena, sem sofrimento, como deve ser. Foi uma tristeza para toda a família, mas para ela foi rápido. Quisera que tivesse sido assim com Xuxu.

Saudade, Xuxu. Saudade, dona Menina. Muita saudade. Nossa casa está tão grande e tão vazia... Às vezes a tua falta, Xuxu, faz meus olhos ficarem aguados, sabe? Mas é só um cisco no coração, eu disfarço e enxugo.

3 comentários:

  1. um abraço solidário pra você.
    Sei como se sente.
    Mas tenho certeza de que vocês fizeram tudo de melhor pra ela.

    ResponderExcluir
  2. Oi meu amigo! Quanto tempo!

    Lembrei-me de você outro dia sobre a questão de ser leitores dos livros e do mundo.Comecei a lecionar no ensino médio e tenho um 1º ano e um 2º anos que até hoje não conseguiram adquirir o hábito de ler e então pensei: minha missão será árdua, mas jamais vou me desesperar. Pelo contrário, vou pensar e criar alternativas para fazer com que este gosto pela leitura seja prazeroso. Na 1a semana foi um desastre, na 2a mais ou menos e agora, a cada semana o número de alunos procurando a biblioteca faz-se crescente. Por isso gostaria que você fizesse uma crônica para esses alunos, ressaltando a importância da LEITURA em nossa vida, principalmente a estes jovens que tem o mundo a conquistar. Um deles virou para mim e perguntou: Professora, porque a senhora não desiste de nós? E eu disse: __ Jamais desistirei, se posso fazer diferença em sua vida, farei. E se tento chamá-los a esse mundo dos livros é porque acredito que vocês são capazes. E se tiver um de vocês que se tornar leitor até o final do ano, com certeza a minha missão terá sido cumprida. Não vamos esperar que o Brasil mude apenas com as promessas dos político, porque essas podem demorar muito, se é que vão acontecer. Mas se posso mudar o mundo que me cerca, com certeza eu o farei. E assim é a vida, nos ensinando e criando alternativas para fazermos o diferente. Com carinho professora Edna Matos.

    OBSERVAÇÃO: Hoje estou com o meu coração dilacerada, pois acabei de enterrar o meu pai, meu ídolo, amigo e heroi.

    ResponderExcluir
  3. Meus sentimentos, professora Edna. Sei que nada do que eu possa dizer vai diminuir essa dor. É bom tê-la de volta por aqui, seja bem-vinda. Vou escrever sobre o assunto, com certeza. Um grande abraço do Amorim

    ResponderExcluir