COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

À MESTRA, COM CARINHO



Por Luiz Carlos Amorim (escritor –  Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br

Corupá é minha terra natal e gosto de voltar e passear por lá para rever pessoas e lugares. A cidade não mudou muito, continua tranquila e pacata, mas cresceu, sim. Está maior, mais próspera, mas  conserva suas melhores características. As pessoas, a grande maioria, já não as reconheço, assim como elas também não me reconheceriam.
Em minhas andanças por lá fui ao Grupo Escolar Teresa Ramos, onde estudei – o sobrenome continua igual, mas o nome mudou e a escola também. Hoje tem o triplo do tamanho, ou mais, mas continua sendo a escola estadual da cidade.
Preciso levar alguns livros novos meus que ainda não fazem parte do acervo da biblioteca da escola, pois acho que lá só devem estar uma meia dúzia dos 29 já publicados.
E preciso levar meu livro mais recente, “Histórias de Natal”, para a professora Elizabete Voltolini, minha primeira professora. Sempre levei meus livros para ela, mas faz tempo que não falo com ela.
Da última vez, quando levei “O Rio da Minha Cidade”, encontrei-a em sua casa, na pracinha do centro de Corupá, o mesmo sorriso meigo, o olhar terno, os traços suaves e delicados. O tempo passa e é implacável com todos nós, mas parece ter sido complacente com ela, pois seu rosto ainda conserva a beleza da professorinha de quarenta e tantos anos atrás, a voz doce e acalentadora e a alma límpida e transparente.
Que saudade, professora Elizabete! É sempre bom poder lhe ver de novo, falar consigo, beijar a sua mão. Vou lembrar sempre da primeira professora, que me ensinou a ler e me ensinou a escrever, que tinha o poder de ensinar com uma facilidade incrível, costurando os assuntos sempre com uma história, que ela também é ótima contadora de histórias. Didática aplicada, didática da mais alta qualidade, aplicada de maneira eficiente e eficaz.
Presto aqui um tributo a minha primeira professora, o símbolo do exercício de um ensino competente e de qualidade, que deve servir de modelo para todos nós. E homenageando a ela, homenageio, nesta passagem do Dia do Professor, todos os professores abnegados e dedicados que tocam, com esforço e pouca remuneração, a educação deste país, que se não fosse por eles não existiria mais.

Um comentário:

  1. Oi! Bom dia!

    Parabéns pela belíssima crônica. Você é uma das raras pessoas que reconhece o valor de um professor!

    Até mais!!!

    ResponderExcluir