COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

LIXO QUE VIRA LIVRO

Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br

Uma matéria sobre lixo trocado por livros, em um jornal de Jaraguá do Sul, chamou-me muito a atenção, recentemente. Trata-se do Projeto Livro Livre, implantado nas escolas de primeiro grau da cidade, e que já foi realizado em Blumenau e Gaspar. Envolve várias entidades, como o Projeto Evoluir, a Secretaria da Educação da Prefeitura de Jaraguá, A WEG e a empresa Edepel Embalagem. O projeto é uma ação educativa no sentido de proporcionar aos estudantes a aquisição de pelo menos um livro por mês, sem nenhum custo para o aluno, para a escola, nem para a prefeitur5a, auxiliando os professores na missão de incutir o gosto pela leitura nos leitores em formação. Para ganhar o livro, a cada mês os alunos deviam levar à escola pelo menos um quilo de lixo reciclável, que seria comprado por uma empresa previamente contratada para a reciclagem.
O livro entregue aos estudantes, por sua vez – e foram entregues, em Jaraguá, cerca de cem mil livros – constituíram quatro coleções, pensadas conforme a idade dos leitores: aos estudantes do 1º ao 3º ano, as publicações continham rimas e poesias; 4º e 5º ano, fábulas; 6º e 7º ano, artes; e para os alunos do 8º e 9º ano, histórias de suspense, amor e aventura .
Três das coleções são da escritora que implantou o projeto em Santa Catarina e a quarta, dirigida aos oitavo e nono anos do ensino fundamental, são de autores diversos, catarinenses, mas das região de Blumenau. Infelizmente não há autores do norte do Estado, pois o projeto já veio pronto para Jaraguá.
O patrocínio da WEG, muito oportuno, pagou a impressão dos cem mil livros que foram entregues aos alunos, publicados pela Editora Todo Livro.
Uma ótima iniciativa para a educação da cidade, que entrega aos estudantes de primeiro grau milhares de livros, incutindo o hábito da leitura, coisa tão difícil de se conseguir, atualmente, pela falta de condições de se comprar livros, até pelas escolas, que têm suas bibliotecas relegadas a segundo plano, pois o Estado e muitos municípios não prevêem a contratação de bibliotecários.
Os estudantes recebem os livros em troca de lixo, que proporciona alguma renda para as Associações de Pais e Mestres das escolas, que usam o dinheiro para melhoria em cada estabelecimento, até na compra de mais livros para as bibliotecas escolares.
Bom negócio para todos: para a editora que edita os livros, que publica grandes edições com destino certo e retorno garantido, pois o patrocínio paga a conta e o Projeto Livro Livre entrega as publicações. Para os estudantes, que têm leitura garantida de vários livros, gratuitamente, apenas com o compromisso ecológico de coletar lixo reciclável e para a escola, que têm alunos que lêem vários livros durante todo o ano.
Sem contar a Secretaria de Educação, que apenas coordena todo o processo.
Que o projeto continue e se multiplique. E que mais autores catarinenses sejam publicados pelas coleções destinadas aos estudantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário