COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

A DANÇA DA TERRA DA GENTE


    Por Luiz Carlos Amorim – escritor, editor e revisor – Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br

Agosto foi o mês do Festival de Dança de Florianópolis, o Prêmio Desterro, que neste ano teve cinco dias de apresentações no palco do Teatro do CIC e em alguns outros da capital catarinense. Cerca de mil bailarinos que vieram de vários estados brasileiros e de outros países, apresentaram coreografias nos gêneros balé clássico, contemporâneo, dança de salão contemporânea, dança de salão tradicional, danças populares, danças urbanas, jazz e sapateado.

Não poderia deixar de prestigiar o Festival de Dança de Florianópolis,  pois gosto demais de dança e gostei de quase tudo o que vi nessa quinta edição desse evento do gênero que deu um salto em qualidade e duração neste ano de 2014. Aliás, acho até que o festival precisa aumentar um ou dois dias, a julgar pela quantidade de trabalhos selecionados nesta edição.

As noites competitivas estenderam-se  por mais ou menos quatro horas, o que é muito tempo e acaba cansando os espectadores, que acabaram, muitos deles, saindo no meio dos espetáculos

Mas o nível da qualidade deste festival foi bastante alto. Tivemos muita coisa boa desfilando pelo palco do CIC e por outros palcos da cidade. O que me chamou a atenção, me impressionou pela qualidade do trabalho, foi a participação de Jaraguá do Sul e Guaramirim. Os trabalhos apresentados pelas duas cidades foram muito bons, notadamente do grupo de Guaramirim. Não vi as colocações dos grupos das duas cidades no ranking do festival, mas a verdade é que concorreram em igualdade de condições com os vários outros grupos. Estão colocando seus nomes cada vez mais alto no cenário da dança.

Parabéns aos organizadores do festival por mais esse espaço para a dança, que cresce a cada ano e aos bailarinos de todas as partes, operários abnegados e dedicados desta arte sublime do movimento, da poesia do corpo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário