COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

COMO DIZER ADEUS?


      Por Luiz Carlos Amorim – Escritor, editor e revisor – Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br

Nossa pinscher Pituxa, a Xuxu, completa vinte primaveras neste ano de 2014. Está muito, muito velhinha, como é de esperar: cega, surda, sem faro, come pouco e quase não se aguenta em pé, pois está muito magra, não tem mais músculos. O bebê da casa está velhinho, muito velhinho, pra lá de idoso.

Tentamos dar-lhe alguma qualidade de vida, colocando tapumes de espuma por toda a casa, para ele não bater nas coisas, cortamos a comida em pedaços bem pequenos, pois ela tem poucos dentes e tem tártaro, que não conseguimos mais tirar porque ela não suporta mais anestesia.  Colocamos almofadas e mantas em quase todos os cômodos da casa para ela deitar e dormir, mas corta o coração vê-la cambalear, quase não conseguindo mais andar.

Xuxu tosse, espirra, às vezes cai, porque já é difícil para ela equilibrar-se e o chão ainda é liso. Aquelas sacudidas que todo cachorro dá, ela quase não pode mais fazer. Não sai mais para tomar sol lá fora, como fazia antes, todos os dias. Não vai mais esperar-nos lá na porta da garagem, quando saímos, como sempre fazia, mesmo depois de ficar cega.

Nossa bebê está indo embora, aos poucos, e isso dá uma tristeza muito grande. Fico pensando se ele não está sofrendo, se não é crueldade deixá-la assim, a vida  se esvaindo devagarinho, a gente assistindo o seu fim, sem poder fazer nada além de levá-la ao veterinário, para dar-lhe remédio e esperar que melhore.

Que mais podemos fazer, além de lhe dar carinho e tentar dar algum conforto? Não consigo pensar em sacrificar uma criaturinha que nos acompanhou por tanto tempo, que nos amou por toda a sua vida.  Mas também não podemos deixá-la sofrer, indefinidamente. Podemos e devemos cuidar dela como até agora, que ela merece. Como saber se isso é bom para ela, continuar aqui, com tanta dificuldade?

É muito difícil. Xuxu é parte da família, não dá para vê-la sofrendo e também não queremos vê-la partir, ainda mais por iniciativa nossa.

Foi muito duro perder Dona Menina, a mãe dela, que morreu com doze anos, serenamente, sem sofrimento. Um dia ela amanheceu cavando um buraco no jardim, embaixo de algumas plantas, nós brigamos com ela e ela foi para debaixo da nossa cama. Fomos tirá-la de lá e ela já estava indo. Quando chegamos ao veterinário ela se foi de vez.

E Xuxu? Será mais dolorido ainda, tanto para ela quanto para nós? Como nos prepararmos para perder um ente querido?
 
Nota: Esta crônica foi escrita há uma semana. Xuxu se foi nesta madrugada. Foi uma vida inteirinha - vinte anos - em nossa companhia. E ela continuará conosco, para sempre.

Um comentário:

  1. Deus é tão bom que Ele fez o Céu também para cahorros! Você é um felizardo que conseguiu ter um bichinho desses por tanto tempo. Um abraço.

    ResponderExcluir