COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

quarta-feira, 12 de março de 2014

A PRACINHA DE CORUPÁ

 
    Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br

Vou pelo menos uma vez por mês a Corupá, minha cidade das cachoeiras, no pé da Serra do Mar. Na verdade vou a Joinville, Jaraguá, São Francisco, mas é claro que, estando por perto, não posso deixar de visitar a terrinha. Gosto de comprar alguns produtos de lá que são os melhores, como os biscoitos de melado, as cucas alemãs, a linguiça Blumenau, a geleia ou queijo de porco, o melado, etc. Gosto de rever lugares, pessoas, revisitar lembranças. Meu irmão mora lá, além de tios e primos.

E tenho percebido que há mais ou menos um ano demoliram a pracinha do centro da cidade, a pracinha que existe desde sempre, para mim, pois nasci em Corupá. Era uma pracinha comum, mas era singela, era a pracinha da minha cidade. Eu até concordo que o Prefeito queira modernizar a cidade, destruindo a antiga pracinha para em seu lugar construir alguma coisa mais vistosa, mais atual.

Mas faz muito tempo que a antiga pracinha sumiu, um tapume foi erguido em volta do local e não se sabe o que está acontecendo, não se sabe quando os tapumes vão ser removidos para que conheçamos a nova praça. Já passei por lá em dia de semana e não havia ninguém trabalhando. Parecia a Ponte Hercílio Luz em Floripa.

Quando será a inauguração da nova praça? Há um cronograma, há uma previsão de conclusão? Soube de boatos acerca da entrega no próximo aniversário da cidade. Isso é em meados do ano. Mas já houveram os mesmos boatos no ano passado e nada aconteceu.

Sr. Prefeito, Corupá não é uma cidade tão pobre assim que não possa arcar com uma obra como essa. Sei que estão sendo realizadas outras obras, mas a pracinha está escondida há muito tempo. Já se passou um ano, quanto tempo mais teremos que esperar? Corupá está crescendo, a economia não se resume mais somente à agricultura, a indústria e o comércio também geram bons impostos, além do aumento da população. Queremos nosso cartão postal de volta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário