COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

CRÔNICAS ANDARILHAS E D´ALÉM MAR

Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br/


Há algum tempo, foi publicada, num caderno de cultura e variedades de um grande jornal catarinense, uma matéria sobre a crônica. Nela, alguns escritores davam a sua opinião sobre a importância do gênero dentro da nossa literatura. A maioria deles classificou a crônica como um gênero menor, instantâneo e efêmero, sem sobrevida. Apenas dois a consideraram um gênero que pode ser rico e que pode perdurar, ser universal e perene. Eu prefiro aliar-me a estes últimos e penso que não estamos sós, pois a publicação de livros de crônicas tem aumentado, nos últimos tempos e o gênero tem conquistado novos leitores.

Bons exemplos disso são os livros “Crônicas Andarilhas”, de Enéas Athanazio e “Histórias d´Além Mar”, de Urda Alice Klueger, dois dos mais importantes escritores vivos de Santa Catarina.

“Crônicas Andarilhas”, do escritor Enéas Athanázio, é um grande livro, em tamanho e conteúdo. Nas duzentas páginas deste livro de viagem que eu chamaria de “livro de viagens literárias”, que fala de chão, de gente, de natureza, de literatura e de escritores, de poesia e de história, o cronista nos leva a viajar com ele para conhecer esse Brasil de ponta a ponta, nos revelando curiosidades e descobertas.

De início, um capítulo com título curioso e interessante: “A Amazônia que vi e li”, onde são reunidas crônicas sobre algumas viagens literárias (e todas elas não o são?) pela selva amazônica, desbravando suas matas, suas águas e conhecendo sua gente e sua literatura.

Os assuntos estão organizados e há capítulos sobre Canudos (o reduto do Conselheiro), sobre o Nordeste – sua beleza, seus rios, sua gente, seu cangaço; sobre “Figuras de perto e de longe” – Lima Barreto, do qual o Dr. Enéas é um estudioso, Câmara Cascudo, J. D. Salinger e Joyce Maynard, americanos; sobre Lobato, outra especialidade do autor; sobre o seu estado, “Terra Catarinense”; sobre o Contestado (Meu Chão); sobre o Cariri, as cidades de Gilberto Amado, o chão de “mestre Graça”, sobre “Utopia Campeira” e “Caminhos reais e imaginários”.

É possível considerar descartável um livro de crônicas como este? O conteúdo de “Crônicas Andarilhas” é história, é documento, é registro de um Brasil que muitos de nós não conhecemos, de diferentes espaços e tempos.

“Histórias d´Além Mar”, da romancista blumenauense Urda Alice Klueger, que tem se revelado, já há anos, excelente cronista, é outra seleção de crônicas que merece ser eternizada em livro. Ela também é uma escritora viajante, mochileira irrequieta e dinâmica, eu diria quase andarilha. E como Dr. Enéas, tem necessidade de relatar suas experiências e descobertas, o que resulta em crônicas deliciosas e interessantes. Uma diferença que encontrei entre os dois é que ele viaja pelo Brasil e ela tem se aventurado mais por outros países. O que já rendeu alguns livros de viagem, como “Entre Condores e Lhamas”, “Amada América” e “Recordações de Amar em Cuba II”.

E o mais recente livro de Urda é “Histórias D´Além Mar”, seleção de crônicas que falam de suas viagens envolvendo principalmente a Europa e um pouquinho da Ásia, como ela própria diz na apresentação da obra. Em textos alegres e bem humorados, às vezes um pouco mais sérios, quando é necessário, Urda nos leva de carona aos Pirineus, a Paris e Portugal, Moçambique, Espanha, etc. E nos dá a conhecer as gentes, os costumes, os cenários, os sabores e os cheiros de plagas bem distantes do nosso Brasil. Dá vontade de seguir os caminhos que desenha em seu livro, de conhecer pessoalmente os lugares por onde passou. Alguns eu já conheço, como Portugal, Espanha e até Marrocos, mas faço a travessia novamente, e logo, se Deus quiser, para conhecer os outros.

Urda é aquela escritora que escreve como se estive conversando com o leitor: você começa a ler e é difícil parar, é difícil abandonar o bom papo. Esse tom coloquial, aliado à percepção de detalhes curiosos que passariam despercebidos ao escritor comum, fazem da escritora loura dos dedos cheios de poesia, uma autora tão lida e tão querida.

Não deu vontade de ler esses dois livros de crônicas? Pois eu li e leio de novo, tão gostosos e reveladores eles são. Contatos com os autores: e.atha@terra.com.br e urda@flynet.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário