COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

A ILHA - A PERENIDADE DA PALAVRA

Por Luiz Carlos Amorim – Escritor - http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br/


Um grupo de pessoas que escrevia e não tinha como escoar a sua produção, não tinha meios de chegar até o leitor juntou-se, em 1980, no norte de Santa Catarina, para preencher uma lacuna que havia na cultura da região. Não existia, na época, um grupo que reunisse os escritores e poetas para discutir e trocar experiências, que estudassem e descobrissem novas formas de divulgação da sua obra e da literatura como um todo. Já existira outrora, e era premente que voltasse a existir.

Esse grupo, fundado em junho de 1980, é o Grupo Literário Literário A ILHA, que começou em São Francisco do Sul, com pouco mais de meia dúzia de escritores, com atividades como a reunião de trabalho, para mostrar e discutir os próprios trabalhos, apreciar e comentar textos de autores consagrados; como a publicação da revista Suplemento Literário A ILHA, que constituiu-se no primeiro espaço conquistado para publicação da sua obra; como o Varal da Poesia, que foi o meio mais rápido de colocar o leitor em contato com a poesia deles: levar a poesia para a praça, para a rua.
A partir de 82, o grupo transferiu sua sede para Joinville, integrando dezenas de escritores, principalmente poetas, daquela cidade e região. Lá as atividades se ampliaram e, além da revista, das reuniões, que passaram a se chamar Oficinas Literárias, e do Varal da Poesia, o grupo passou a fazer incursões pelas escolas, fazendo palestras, fazendo o Recital de Poemas e agregando os novos poetas que surgiam. Livros e antologias foram publicados, eventos literários, como lançamentos de livros, encontros de escritores, concursos, festivais literários a céu aberto e incursões em festas tradicionais da cidade, como a Festa das Flores e o Festival de Dança, foram realizados.

Com o passar dos anos, a tecnologia das mídias para se veicular a obra literária foi evoluindo e novas alternativas foram surgindo. A edição de livros e revistas foi facilitada, podendo ser feita dentro do próprio grupo, surgindo então as Edições A ILHA; a impressão de pequenas tiragens foi possibilitada com o uso das impressoras domésticas e de birôs de impressão rápida; a exibição dos poemas em cartazes já era possível com tipos de imprensa, melhorando em muito a apresentação e o prazer de ler (antes, os poemas do Varal eram escritos a mão, com pincel atômico). O Varal da Poesia transformou-se em Projeto Poesia no Shopping, ocupando um espaço com grande fluxo de público, sem deixar de freqüentar os antigos espaços conquistados, como as festas, escolas, lojas, bancos, praças e feiras. Uma maneira de desencarecer o feitio do livro foi lançada, com o Projeto Pacote de Poesia: ao invés do livro tradicional, o grupo adotou como capa um envelope ou pacote de pão, e dentro iam as páginas interiores, em folhas soltas. O Projeto Sanfona Literária foi criado para a publicação de pequeno volume de poemas: folders com seis, sete, dez poemas, dependendo do tamanho, distribuídos gratuitamente para os freqüentadores do Varal da Poesia do Projeto Poesia no Shopping. Na mesma linha desse projeto, foi criado o Projeto Poesia Carimbada: ao invés dos folders, a poesia impressa em qualquer superfície, impressa no suporte que o leitor preferisse: numa folha qualquer, no caderno, na folha em branco do livro, etc. Com resultados muito abrangentes, o Projeto Poesia na Escola usou a informática que cada vez mais foi invadindo o dia-a-dia de todos nós, inclusive dos estudantes: trata-se de apresentações em Power Point, para serem usadas em sala de aula, nas disciplinas de Literatura ou Língua Portuguesa. E um projeto pioneiro que já foi copiado em vários pontos do país é o Projeto Poesia na Rua: poemas ou trechos de poemas em out-doors, pelas ruas das cidades, possibilitando a todas as pessoas a sua leitura.
O Grupo A ILHA, no decorrer de sua existência, usou de várias mídias para divulgar a sua obra: o papel impresso, o rádio, a televisão, o recital ao vivo, o meio digital. É claro que não poderia deixar de utilizar a Internet, a grande rede, esse veículo que faz com cheguemos a qualquer lugar do mundo. E o portal do grupo, PROSA, POESIA & CIA , hospedado em http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br é um dos veículos mais importantes, fazendo o trabalho realizado chegar a milhares de leitores a cada mês. Lá está a revista Suplemento Literário A ILHA, a seção Literarte, coluna literária com informação e novidades, além de crônicas, contos e poesia atualizados mensalmente, e outras tantas seções como Mestres da Poesia, Autores catarinenses, Literatura infantil, Artigos sobre literatura, Feira de Contos, as antologias "Todos os Poetas" e "O Tema do Poema"com centenas de poemas e aumentando, Livros on-line, Entrevistas com Escritores, Crônica da Semana, etc.

O alcance do grupo ampliou-se a nível nacional, com a participação de escritores de todo o Estado, de outros estados da federação e até de outrospaíses. O intercâmbio fez muito bem ao grupo, que teve participação, inclusive, em publicações internacionais.
Na virada do século, em 2.000 o grupo, que começou numa ilha, voltou a instalar sua sede em outra ilha, desta vez em Florianópolis. E aqui comemora e trigésimo primeiro aniversário.
O projetos mais recentes são “Poesia em CD”, com poemas declamados por comunicadores do rádio catarinense e o livro “A Nova Literaratura Catarinense” – biografia, bibliografia, fortuna crítica e amostra da obra de vários escritores catarinenses que integram ou passaram pelo Grupo A ILHA.

São trinta e um anos de atividades. Sem nenhuma vinculação com a cultura oficial, nem patrocinadores. Apenas com a energia e a determinação dos integrantes do grupo. E serão mais outros tantos, que o Grupo Literário A ILHA é o mais perene da história da literatura catarinense.

Nenhum comentário:

Postar um comentário