COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

MANEIRAS FÁCEIS DE SOLUCIONAR PROBLEMAS


   Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br

O governo do Estado de Santa Catarina tem maneiras muito fáceis de solucionar problemas. Aliás, problemas crônicos que vem se arrastando há anos, décadas, na saúde, na educação, na segurança.

O Hospital Regional, assim como outros hospitais catarinenses, “sofre” de superlotação e as pessoas são “internadas” nos corredores, em cadeiras, em bancos, etc. e ali ficam dias esperando por atendimento. Isso documentado e mostrado pela televisão inúmeras vezes. Pois na quarta-feira, dia 21 de fevereiro, Jornal do Almoço mostrou os corredores cheios de pessoas ali colocadas por falta de leito, esperando por atendimento. Só que um dia depois, a televisão voltou lá, pela manhã, para ver se havia sido feita alguma coisa, e os corredores estavam vazios. O interessante é que no dia anterior haviam 95 pessoas “internadas” e no dia seguinte apenas 66. Quer dizer, a solução foi muito simples: não foram aumentados os leitos, nem espaço físico, nem aumentaram o número de médicos e enfermeiros atendendo, apenas deram alta para quase metade das pessoas que estavam lá. Fácil, não? Tem gente demais, manda embora, que fica tudo bem. E as pessoas doentes que foram mandadas embora, será que estava bem, foram assistidas, tiveram seus problemas de saúde resolvidos, de uma hora para outra?

Outra solução rápida foi para os atentados: depois que a polícia federal veio para ajudar na retirada dos presos mais perigosos dos presídios catarinenses, o governo diz que, desde segunda, dia 19, não houve mais nenhum atentado, embora todos os dias, desde aquela segunda, tenha ocorrido, em algumas cidades catarinenses, carros,motos e ônibus queimados. A desculpa é que os incêndios não tem ligação com os atentados. Simples, não? Além disso, a população foi ainda mais penalizada com a incompetência dos governantes, que deixaram as coisas chegaram a esse ponto: na volta para casa, à noite, muitos ficaram sem ônibus, pois não havia “segurança” para os ônibus circularem, então só alguns deles saíam, com escolta, e com roteiros incertos. Beleza, não?

 E pra terminar, o estado caótico da educação: algumas escolas estaduais não têm a mínima condição de receber os estudantes na volta à escola, nesta semana, porque o Estado não vinha fazendo a manutenção nelas e não aproveitou os meses de férias para fazer reformas naquelas que estava em estado mais grave, literalmente caindo aos pedaços. Muitos estudantes tiveram que voltar para casa, nos primeiros dias de aula, por absoluta falta de segurança. Então esta semana o Governo lançou o “Pacto para a educação”, ou qualquer coisa que o valha, pacto este que prevê a reforma, a médio prazo, das escolas sucateadas. E a curto prazo? Como ficam as crianças das escolas que não podem receber alunos e professores? Vão ficar com horários reduzidos, pois aumenta-se um turno, e são apinhadas em espaços pequenos e mal equipados. Uma desculpa esfarrapada para o estado deplorável das escolas foi colocar a culpa dos estudantes, que não “cuidam” das escolas. Ora, se eu comprar ou construir minha casa e não fizer nenhuma manutenção nela, ao cabo de poucos anos ela começa a dar sinal de deteriorização. Então O Estado não pode se eximir da responsabilidade de manter as escolas, dar um espaço decente e equipado para estudantes e professores, porque é dever dele prover a educação de nossas crianças.

Um comentário: