COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

ECONOMIA NA EDUCAÇÃO


     Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br

Li notícia a respeito da “junção de turmas” que o governo catarinense vai fazer para poder despedir professores em caráter temporário. É mais um golpe para a educação, pois o ensino certamente será prejudicado, com salas entupidas de alunos. Professores que já estão tendo que se virar com três turnos em algumas escolas, por falta de espaço, uma vez que o governo não fez as reformas que muitas dependências, caindo aos pedaços, precisavam.

O que significa que, além de salas cheias, o número de horas aulas diminui, pois aumenta um turno. Segundo o Secretário da Educação, são “apenas” duzentos e quarenta e cinco turmas que vão ser aglutinadas. Apenas. Porque ele não tem os filhos dele nessas escolas.

Ainda a folha de pagamento, que está “quase no limite”. Volto a insistir: e os cabides? E as secretarias regionais, que não servem para nada e só oneram a tal folha de pagamento? Por que será que fazem economia sempre em cima da educação e da saúde?

Isso me lembra a educação em nível federal, que suspendeu as bolsas para graduação e pós-graduação em Portugal, para nossos estudantes. O ministro da Educação – tentando fazer economia para tia Dilma? – dá a desculpa que é porque ele quer que os estudantes brasileiros tenham o desafio de uma segunda língua.

Será? É interessante, porque conheço vários estudantes brasileiros estudando em Portugal que falam o inglês fluentemente e alguns até uma terceira língua.

Saiu um ministro da Educação incompetente e entrou outro apto a substituir a incompetência do outro. Pobre educação brasileira. E nem falamos no Enem, que para não perder a tradição, teve outro escândalo este ano.

3 comentários:

  1. Amorim,

    O secular decaso com a educação... É isso, Amorim. Colocar o dedo na ferida é preciso.

    bravo!

    Meira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois então, Meira. Precisamos nos indignar mais e denunciar, cobrando soluções.
      Um grande abraço do Amorim

      Excluir
  2. É... Quando nós professores reivindicamos melhorias eles,os incompetentes,sempre tentam nos desqualificar. É mais fácil incitar a opinião pública contra nós para "encobrir" sua falta de compromisso com a educaão do que resolver as coisas com eficiência. Os prejuízos que eles nos causaram são imensos e talvez irreparáveis. Para essa "turma" que se intitulam especialistas em educação, o que importa são teorias mirabolantes, ações desastrosas, índices enganosos. Em se tratando de educação no Brasil, estamos mesmo à deriva.
    Profª Terezinha - SP

    ResponderExcluir