COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

terça-feira, 26 de abril de 2011

GOSTAR DE LER

Por Luiz Carlos Amorim – http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br/


Voltando ao assunto “Harry Potter como incentivador do gosto pela leitura em jovens de pouco idade”, vou falar do lado proibido dessa tendência. Vocês já vão entender o por quê “proibido”.
O ensino fundamental no Brasil tem, no seu conteúdo programático, a obrigatoriedade das aulas de leitura e literatura, dentro da disciplina de Língua Português – isto significa dar a conhecer os nossos autores clássicos, desde as primeiras produções de romance, por exemplo, em terras tupiniquins. E digo isso, porque os professores do primeiro e segundo graus, não raro, obrigam suas turmas a lerem José de Alencar, Machado de Assis e outros autores consagrados do passado, sob a condição da nota, que pode colocar em jogo o gosto pela leitura no futuro de leitores em formação.

É bom frisar que a culpa não é dos autores de livros como “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, “Iracema”, “O Guarani”, “A Moreninha”, “Escrava Isaura”, “O Cortiço” e tantos outros. É interessante que conheçamos as raízes da nossa literatura. A culpa é nossa, de pais e professores – sem generalizar, pois existem professores e escolas fazendo trabalho excelente e inovador nesse sentido - que não sabem (ou não podem, ou não querem) como incutir o gosto pela leitura nas crianças, pré-adolescentes e adolescentes.
Criança que não convive com livros em casa, desde cedo, e quando chega à escola é obrigada a ler livros sem ser cativada para isso, sem ter motivação para isso, não vai gostar de ler. Se não lhe passarmos a magia e o encantamento que estão contidos nos livros, o conhecimento e a diversão que podem ser encontrados neles, se não esclarecermos que eles, leitores, terão a criatividade e a imaginação aguçadas com eles, como esperar que gostem de livros? Se o os obrigarmos a ler livros que não tem muito a ver com eles, eles terão, isso sim, aversão a livros, como é comum acontecer.
Então, se livros como os de Harry Potter, Crônicas de Nárnia, O Senhor dos Anéis, Coração de Pedra, A Saga Cargtrofs, etc, dão o prazer da leitura aos pequenos leitores, porque não deixá-los ler esses livros, pra começar, - livros escolhidos por eles - e depois, quando já estiverem firmando o hábito de ler, apresentarmos os clássicos como José de Alencar, Bernardo Guimarães, Machado de Assis, Aluísio de Azevedo, Júlio Ribeiro e outros?
Mas antes de passarmos para os clássicos, deveríamos aproveitar o entusiasmo pela leitura das aventuras fantásticas para introduzir a leitura também fantástica maravilhosa de autores brasileiros. A começar por Lobato, que vai fundo na fantasia e na imaginação das crianças, criando uma boneca viva, uma espiga de milho que fala e que faz misérias, um Saci-Pererê (figura do folclore brasileiro), uma cuca (também do rico folclore brasileiro, conhecida por todos), que é a vila das histórias, e mais, muito mais.
Que criança não gostaria de voar nas asas da fantasia e da imaginação, quando da recriação da criatividade de nossos escritores? E são tantos, que nem me atrevo a enumerá-los.

Fica a idéia para discussão e para os condutores da educação em nosso Brasil – educação que precisa, mesmo, ser revista e repensada.

2 comentários:

  1. concordo 100% com o que você disse, tenho o habito de ler desde pequena , e o meu interesse pelos leitores classicos surgiu com o tempo , para mim não era martirizante conhecer os consagrados autores brasileiros, mas mesmo assim tive dificuldades cpm algumas leituras classicas, imagine quem ainda não sente o prazer na leitura , é mais provavel que fique traumatizado do que motivado a ler.

    ResponderExcluir
  2. Seja bem vinda, Stheffania. É isso mesmo, você exemplificou bem o que quis dizer.
    Um grande abraço do Amorim

    ResponderExcluir