COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

CURSO SUPERIOR DE ESCRITOR

Por Luiz Carlos Amorim - Escritor - Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br

Há uns três ou quatro anos, era notícia no mundo das letras a criação de um curso superior para formar escritores! Com direito, também, a diploma de Agente Literário. A polêmica comeu solta, mas eu cá que não sou diplomado e nem vou ser, li a crônica de Maria de Fátima Barreto Michels, a Fátima de Laguna, e não posso deixar de ser solidário com ela. Fátima tem essa qualidade de falar das coisas, mesmo aquelas muito sérias, com uma leveza, um bom humor impregnados de lucidez e coerência que tornam o texto ainda mais agradável.
Há consenso de que preparar Agentes Literários é uma boa idéia. Seria de grande valia a criação de um curso que treinasse bons agentes literários, porque precisamos deles. Não que aqueles que aí estão não sejam bons, mas é necessário que haja mais deles.
Já um curso superior para formar escritor, não sei não. Isso me lembra o livro de um poeta amigo, que tem o objetivo de "ensinar a fazer poesia" - e com rima! Eu sempre pensei que não se "ensina" a fazer poesia: a gente faz ou não faz. Ninguém ensina ninguém a fazer poesia, muito menos com rima. Rima pobre, é melhor não fazê-la! Poesia é ritmo, cadência, e para conseguir isso não há obrigatoriedade da rima, que pode ser muito perigoso se não soubermos usá-la.
Não sei se todos concordam comigo, mas escrever é uma vocação que devemos praticar, que podemos trabalhar, lendo, estudando, produzindo. Não é uma profissão, uma ocupação, um emprego, simplesmente, que se tenta conseguir para sobreviver.
O curso superior de escritor garantiria que o formando tenha talento, tenha sucesso, garantirá que a produção literária de quem receber o diploma seja de boa qualidade? Estudar mais e ter subsídios para produzir um bom trabalho, uma boa obra, é importante em qualquer profissão. Mas escrever não é uma simples profissão, é o ato de perenizar idéias, história, espaços, tempo e humanidades.
O curso de Letras já faz esse trabalho de estudar literatura e teoria literária, entre outras matérias que ajudam o escritor, novo ou não, a conhecer boas obras, bons escritores e orientação sobre a criação literária. Talvez um novo curso venha a enriquecer o currículo com mais material que o escritor possa usar para aprimorar o seu fazer literário, mas nunca poderá garantir que a criação de um autor tenha talento.
As editoras publicarão, com maior facilidade, os escritores novos que aparecerem com seus originais debaixo do braço e um diploma na mão? Os leitores preferirão os livros de autores que tiverem concluído o curso de escritor, que exibirem na contra-capa do livro um fac-símile do diploma conquistado?
A ABL, que segundo o idealizador é aval do projeto, mudaria os "critérios" para eleição dos "imortais", deixando de ceder cadeiras para políticos e afins para dar lugar aos "diplomados", continuando a preterir escritores de valor como Quintana, por exemplo?
Eu escrevi, em uma crônica sobre o escritor e sua escritura, que a criação literária é um dom, que se pode aprimorar estudando para dominar a língua, a correção no uso da palavra, lendo muito e escrevendo sempre, para poder crescer e produzir uma literatura de qualidade. Nem sempre se conseguirá construir obras-primas, mas essa habilidade que se possui deverá fazer com que se caminhe para isso, embora não seja fácil chegar lá. É preciso muito trabalho, muita leitura, é preciso praticar muito. É a eterna busca da superação. E alguns conseguem.
É assim que tem funcionado, foi assim com Urda Alice Klueger, por exemplo, uma "profissional" das letras que não fez "Curso de escritor" mas está aí, mostrando a todos que é escritora de talento e, além disso, é agente literária de quem está começando e tem valor. Sem, no entanto, ensinar ninguém a ser escritor, apenas valorizando quem tem talento e incentivando para que continue, para que pratique a leitura e a escritura que é assim que se cresce na "profissão"...
E então, a essa altura dos acontecimentos, será que a primeira turma de “formandos” do curso superior de escritores está pipocando por aí? Não se ouviu mais falar a respeito...

Nenhum comentário:

Postar um comentário