COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

sábado, 24 de março de 2012

A INDÚSTRIA DA EXPLORAÇÃO DA FÉ

Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br/


Dois assuntos eu não gosto de abordar, política e religião. Mas há ocasiões em que somos obrigados a falar sobre os referidos, pois fazemos parte do contexto em que eles estão inseridos; queiramos ou não, eles nos dizem respeito.

Então enveredamos por discussão sobre religião, em família. E aí a coisa pega, pois sou muito cético em relação ao assunto. Para mim, fé é uma coisa e religião é outra. Acho crime o que fazem certos “bispos” e “pastores” de tantas novas igrejas que usam o nome de Deus para conseguir dinheiro dos pobres fiéis. E quando digo pobres, quero dizer pobres, mesmo, nos dois sentidos: pobres porque são enganados, aliciados e saqueados e pobres porque têm poucas posses, a maioria deles.

E as igrejas proliferam, porque no Brasil essa é uma modalidade de “empresa” ou “entidade” que não paga nenhum imposto. Então os “religiosos” alugam um espaço físico, fundam uma igreja e atraem os “féis”, com a promessa, por exemplo, de livrá-los do inferno, se doarem certa quantia à casa de Deus, que eles representam. E com esse dinheiro que pedem aos “fiéis”, pagam o aluguel, pagam os pastores e “funcionários” da igreja e ficam ricos, constroem impérios.

Não seria tempo de nossos governantes, o poder legislativo, quem sabe, rever essa lei que isenta as igrejas de qualquer ônus, de qualquer imposto, para acabar com essa coisa de pedirem o pouco dinheiro que as pessoas ganham com sacrifício em troca de promessas formuladas em nome de Deus, em tom de coação, pois ameaçar que alguém vai pro inferno se não colaborar, que não vai conseguir sucesso na vida, se não colaborar, é enganar as pessoas.

Está na hora de mudar esse estado de coisas. Isso é usar o nome de Deus em vão, é usar a fé em Deus dos nossos semelhantes para conseguir benefício próprio, usando o princípio do dízimo, que é mencionado na Bíblia. Não pode haver lei que proteja isso.

Volta e meia um escândalo de “dono” de alguma igreja vem à tona, mostrando que o “bispo” ou seja lá que outro nome se dão, enriqueceu com o dinheiro “arrecadado” pela sua igreja, transformando-se em proprietário de mansões, grandes e valiosas fazendas, impérios empresariais, etc. Não foram nem um e nem dois, vários destes “senhores” já foram denunciados, mas nunca nenhum foi preso. Nem devolveu o dinheiro “doado” por seus “fiéis”.

Seria engraçado se não fosse trágico – e irônico – o fato de a denúncia mais recente partir da rede de televisão pertencente a uma igreja cujo dono já foi alvo das mesmas denúncias que vem fazendo de um outro dono de igreja.

Será que não pesa na consciência desses senhores usar o nome de Deus para arrancar dinheiro de quem tem quase nada? Parece que não. E a lei, ou quem faz as leis, nossos digníssimos representantes, e a justiça, falida, não fazem nada para acabar com esse estado de coisas.

2 comentários:

  1. Antes de existir templos,igrejas,levitas e moisés,os dízimos eram repartidos e distribuídos diretamente em mãos dos necessitados caldeus,babilônicos,confederados de abraão,sodomitas,etc.Havia celeiros e câmaras de depósitos para armazenar dízimos de diversos grãos alimentícios para os necessitados se alimentarem no pátio dos templos dos primeiros fiéis dizimistas da bíblia.Melquisedeque distribuiu dízimos e recebeu dízimos de Abraã,Isso serve de exemplos para todos os pastores e evangélicos dizimistas,mas a maioria deles preferem concordar apenas com os seus pastores.
    A contribuição da décima parte dos dízimos ou dízimo dos dízimos,sempre foi e será suficiente e perfeita para todas as despezas das igrejas atuais,assim como foi o azeite da viúva de serepta,que o profeta Elias multiplicou pela determinação do perfeito e sempterno Deus.
    Jesus provou que 5 pães e 2 peixes foi mais que suficiente para que Ele mesmo pudesse multiplicar as provisões da sua própria igreja,entretanto a maioria dos pastores pregam tudo isso para os outros,porem eles mesmos mostram que são mais pessimistas,sem fé ou infiéis que todos os muitos indivíduos que eles taxam de homens sem fé e desobedientes a Deus,durante os seus sermões semanais.Isso ocorre constantemente com aplausos de alegria de alguns e tristeza para milhares de necessitados que biblicamente tem direito à sua porção na divisão dos dízimos e das ofertas.
    Leia 1ªsamuel 2:13-16:Sobre O costume dos sacerdotes com o povo.
    O sacerdote Tobias,fez uma câmara particular para desviar dízimos para ele,então foi expulso pelo sacerdote Neemias,que mandou limpar e preparar as câmaras e celeiros de dízimos para alimentar os fiéis e necessitados,por isso então todo o Judá voltou a trazer dízimos do grão aos celeiros.Neemias 13:9,12(Mateus 21:12) Siga esse exemplo.O dízimo dos dízimos é o que Deus determinou para pagamento dos líderes espirituais,pelos serviços que prestam ao altar na obra de Deus.O problema é que a maioria dos pastores ficaram ricos,porque os dizimistas e ofertantes,não seguem os princípios bíblicos em relaçãos aos dízimos e ofertas,porque eles tem medo de repartir os dízimos e as ofertas com os necessitados e tirar a “parte santa” correspondente à décima parte para a casa do tesouro.
    A culpa desse erro é dos próprios dizimista pois Deus nunca deu obrigação,direito ou liberação para os próprios sacerdotes de repatirem ou separarem eles mesmos os dízimos para os pobres ou para o que eles bem quiserem comprar ou projetar.Os próprios dizimistas devem separar a parte do altar e entregar a outra parte aos necessitados,orfãos e viuvas desamparadas,porque cada vez que um dizimista ou ofertante dizimar segundo o exemplo dos primeiros dizimistas e ofertantes,os anjos do Senhor Jesus,anotarão os nomes desses justos ofertantes e corretos dizimista.
    A tarefa de repartir e separar os dízimos e as ofertas,pertence aos próprios dizimistas e ofertantes.Os próprios dizimistas devem tirar um décimo dos dízimos para os sacerdotes e dar a outra parte imediatamente em mãos aos necessitados,para que assim possam ouvir do próprio Senhor Jesus:”O que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos e pequeninos,a mim o fizestes”.Mat 25:40.Essa é a aprovação proferida pelo Senhor Jesus,apenas para os seus verdadeiros obreiros e fiéis atalaias.É necessário controlar a boca dos milionários devoradores de dízimo.Deus espera há dois mil anos que os órfãos e necessitados saibam que Ele os ama e que pensou em cada um necessitado quando criou os dízimos.
    Obs:Existem evangélicos e cristãos maravilhosos,justos e honestos em todos os lugares.Trate-os bem.

    ResponderExcluir
  2. LEVE A VIDA COM FÉ(PROVAS E CERTEZAS),DIGNIDADE,RESPEITO E SERIEDADE
    A EXPLORAÇÃO DA FÉ – É corrupção + exploração do dinheiro público (Do povo)

    Se por acaso a igreja que você frequenta pratica a exploração da fé,ou comércio da fé,desista dela e siga a Jesus,porque Ele é o único caminho,a verdade e a vida.DESISTA DO MAU CAMINHO ENQUANTO HÁ TEMPO.
    NÃO SEJA PURITANO,MAS SEJA PERFEITO COMO PERFEITO É VOSSO PAI QUE ESTÁS NOS CÉUS.

    1. Não adiantas os governos aumentarem salários,se em contrapartida houver exploradores comerciais da fé fazendo campanhas de votos,pactos,desafios,dízimos e ofertas todos os dias,todas as horas em todos os cultos,e em todos os programas evangélicos de tv,obrigando os seus fiéis a pagarem indevidamente as contas de água,luz,telefone,tv e rádios das igrejas,É necessário que os governos proíbam as igrejas de fazerem dívidas pesadas para que as pessoas paguem.

    2. O governo pode tentar conseguir um crédito das empresas de Abastecimento de água e Energia Elétrica,para conceder às igrejas um determinado total de Kw de potência já abatido no recibo de pagamento mensal de consumo total de cada igreja,desde que essa igreja tenha uma determinada quantidade de membros ativos e batizados determinada pelo próprio governo convencionalmente.Com isso os dízimos passariam a ser repartidos também para alimentar os próprios fiéis pobres carentes,pastores,etc

    3. O governo pode determinar que as igrejas diminuam os seus custos para que os fiéis não sejam molestados nem pressionados a pagar ou contribuir indevidamente com os pagamentos de contas exorbitantes com as que são apresentadas para pagar contas de rádio e tvs.

    4. O governo pode determinar que as igrejas não sejam lideradas por pastores que tenham sido envolvidos em falcatruas,crimes ,etc.

    5. Todos os meses as igrejas devem fornecer todos os extratos de todos os dízimos e ofertas mensalmente para que os fiéis possam ler e acompanhar todas as movimentações financeiras.

    6. Em todas as campanhas de pedidos de dinheiro para pagamento de custo de rádio e tv,etc,todas as igrejas mostrem na tv em tempo real,todos os movimentos das doações para que os doadores assistam e acompanhem passo a passo todos os valores que vão sendo somados e totalizados de todas as doações,em tempo real.

    7. Os governos podem requerer que em cada cidade,todas as instituições de igrejas tenha um prédio bem estruturado com endereço facilitado e horário de funcionamento bem divulgado para realizar ações sociais complementares para todas as pessoas sem discriminação.

    8. O governo pode alertar as igrejas que se um doente for levado para ser curado na igreja,e o pastor disser que esse doente está curado,esse pastor poderá ser condenado caso esse doente deixe de continuar tomando os medicamentos prescritos pelo seu médico.

    9. Os governos podem alertar que se os pastores prometerem curas e milagres através de votos,desafios e ofertas dadas à igreja,eles deverão informar publicamente ou por escrito aos fiéis sobre o prazo de cumprimento da cura ou do milagre.Caso o fiel não alcance o milagre ou a cura,até o final do prazo determinado pelo pastor,esse mesmo pastor deverá devolver toda a quantia dada pelo mesmo fiel durante a campanha.

    10. Os governos devem alertar que se qualquer indivíduo doente tiver a sua saúde prejudicada ou vir a morrer por ter sido enganado pelo pastor que alegou tê-lo curado.A família do morto ou do indivíduo prejudicado pela falsa cura ou falso milagre,deverá ser ressarcida pelo próprio pastor,igreja ou instituição que praticou a falsa cura ou falso milagre.

    Exponha também as suas razões para coibir a corrupção ou a falta de transparência e sinceridade para com a verdade.
    OBs:Existem cristãos e evangélicos dignos, justos e honestos.Todos são filhos de Deus.

    ResponderExcluir