COMENTE

Sua opinião é importante. Comente, critique, sugira, participe da discussão.

domingo, 21 de agosto de 2011

FESTIVAL DE DANÇA DE FLORIANÓPOLIS

Por Luiz Carlos Amorim – Escritor – http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br/


Acabo de chegar da última noite do Prêmio Desterro, o Festival de Dança de Florianópolis que aconteceu aqui na capital nos últimos cinco dias. Para um festival que está na sua segunda edição, o Prêmio Desterro está indo muito bem.

Foram mais de cem coreografias, centenas de bailarinos, de vários estados da federação. Tivemos, além da mostra competitiva, a apresentação de algumas coreografias que não concorreram. Das que concorreram, algumas não foram tão fortes, mas houve muita coisa boa.

Os gêneros foram diversos: balé clássico, dança contemporânea, jazz, dança de salão, danças urbanas, Sapateado e danças populares. Na categoria Danças Populares, um grupo revelou-se espetacular, pela qualidade do trabalho, pela beleza do espetáculo. Falo do Grupo Folclórico Tropeiros do Litoral, que dançou Bailado Mexicano, teve a total aprovação do público mas infelizmente ficou em terceiro lugar. Na minha opinião e na opinião da maioria do público, um resultado injusto. Mas aconteceram outras injustiças, na dança de salão, por exemplo. Não vou me alongar, pois não sei os critérios para julgamento.

Um resultado justo foi o primeiro lugar e o destaque para o grupo de danças urbanas de Garopaba, Atitude, que inovou, saiu daquele feijão com arroz, daquele padrão que conhecíamos até agora, que todo mundo usava para dançar. Até eu que não gosto do gênero, gostei. O público foi ao delírio. Muito dinamismo, uma maneira nova de dançar a dança de rua. Merecido o primeiro lugar na categoria. Houve outro grupo, de Curitiba, Lótus, que também saiu dos padrões normais na escolha das músicas (músicas?) e dançou a Quinta Sinfonia de Beethoven, rearranjada, remixada, é claro. Mas aplicaram uma coreografia de dança urbana, moderna, diga-se, na música clássica de Beethoven. Foi uma novidade bastante interessante. A, esqueci de dizer que minha filhota, Daniela, também dançou e o grupo do qual ela participa tirou o segundo lugar na categoria jazz.

Então, de uma maneira geral o Prêmio Desterro esteve muito bom, eu não perdi uma noite. Mas ele está crescendo e os organizadores já devem estar pensando em libertá-lo do palco – por enquanto do Teatro Pedro Ivo, enquanto o Teatro do CIC está fechado, irresponsavelmente – alô, alô, governo catarinense, dona Fundação Catarinense de Cultura – levá-lo para as ruas da cidade, a exemplo do Festival de Dança de Joinville e do Festival de Teatro daqui de Florianópolis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário